Quarta-feira, 9 de Março de 2011

GOVERNO DEFENDE “PLANO DE DESENVOLVIMENTO RURAL PARA PNSAC”

Secretário de Estado das Florestas defende “Plano de Desenvolvimento Rural para o Parque Natural das Serras de Aire e Candeeiros”

O secretário de Estado das Florestas e Desenvolvimento Rural defendeu na passada quinta-feira a importância do plano de desenvolvimento rural para o Parque Natural das Serras de Aire e Candeeiros (PNSAC) para potenciar os produtos locais e fixar a população.

“O plano deve garantir investimentos que permitam criar riqueza e combater o êxodo rural”, afirmou à agência Lusa Rui Barreiro no final de uma visita aos concelhos de Alcanena e Porto de Mós, municípios que estão a liderar um plano estratégico para valorizar os recursos endógenos da área protegida.

Segundo o governante, a iniciativa intermunicipal, que pode ser estendida a outros concelhos cujo território integra o PNSAC, passa por criar condições para o desenvolvimento de actividades que são já consideradas “tradicionais” naquela região, como a pecuária e a produção de azeite ou de queijos.

Admitindo que em áreas protegidas “há sempre condicionalismos”, Rui Barreiro realçou, contudo, que “não há parque natural que resista sem manter, no seu seio, população”.

“É possível, como é desejável, uma sã convivência entre o ambiente e outras actividades desenvolvidas pela população”, considerou o responsável.

O secretário de Estado anunciou a disponibilização de dois técnicos das direcções regionais de Agricultura de Lisboa e Vale do Tejo e do Centro, assim como de um elemento da Direcção-geral de Veterinária (DGV), para acompanhar e apoiar o plano de desenvolvimento rural.

“Esta região tem uma paisagem única, que é uma das suas riquezas, mas temos de criar condições para que outras riquezas ajudem à criação de emprego e à fixação de população”, sublinhou Rui Barreiro.

O presidente da Câmara Municipal de Porto de Mós, João Salgueiro, adiantou à Lusa que a criação do plano de desenvolvimento rural resultou “da necessidade de valorizar os produtos regionais e as tradições” que existem na serra.

“Por exemplo, a pecuária teve grande importância no passado, mas mantém ainda alguns bons núcleos”, declarou, admitindo ser possível “a criação de condições para que produtos como a carne, o azeite ou o queijo venham a ter denominação de origem”.

Segundo o autarca, com essa classificação “acrescenta-se valor aos produtos da serra”, aumentando a sua rentabilidade.

“Articulando com as direcções regionais, com a DGV, com o Instituto de Conservação da Natureza, penso que vamos conseguir potenciar tão importantes produtos para a economia local”, acrescentou João Salgueiro.

 

 

 

 

Publicado a 24 de Janeiro de 2011 in www.Cister.fm

publicado por pnsac-viveatuanatureza às 18:55

link do post | comentar | favorito
|

.pesquisar

 

.Junho 2011

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. Notícia sobre a palestra ...

. Pedreiras: Sim ou Não?

. A gralha-de-bico-vermelho...

. I BIKE TOUR

. Curiosidades sobre o símb...

. Resíduos depositados ileg...

. IV ENCONTRO DE SABERES - ...

. DIA MUNDIAL DO VIGILANTE ...

. Vigilantes da Natureza es...

. Estação de tratamento de ...

.arquivos

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

.mapas

.O Parque Natural

O Parque Natural

.Fauna

O PNSAC e a sua fauna

.Flora

O PNSAC e a sua flora

.Maravilhas do PNSAC

As maravilhas do nosso Parque

.Notícias do PNSAC

Notícias relacionadas com o PNSAC